25 de setembro de 2005

Coração na Boca

Adoro cortinas que se abrem. Adoro o silêncio antes do grito. Adoro o infinito de um momento rápido, o instrumento gasto, o ator aflito, o coração na boca antes da palavra louca que eu não digo.

(Da Zélia. Ela explica.)