28 de abril de 2009

quando o que me ouso é o silêncio. quando o que permito ao mundo as pessoas ao que resta além de mim é o silêncio. apenas e gigantesco. apenas mas gingantesco. porque não dizer palavras é atingir o limite de mim mesma. eu não minto eu não sei mentir eu não pretendo aprender. mas. não dizer palavras quando todo meu corpo fala sobre esse abismo que é dor dor dor é necessário? eu não quero que saiba e. eu quero te poupar de tornar-me porque isso de gostar inclui ser um pouco o outro. o tempo presente do outro e. meus olhos perdidos no nada enquanto formam oceanos entre meus pés. não quero. minha cor se perdendo. não quero. minhas mãos insistentemente em aflição desgrenhando os cabelos quando não seguram cigarros & copos. não quero não quero. dentro de mim sussurro digo grito repito. não quero nada disso. por isso aqui e. agora. digo palavras escrevendo. é pretensão de a dor verbo e hemorragiar-se até não haver mais. essa dor vai acabar. eu sei eu sei. eu sei. embora agora você saiba. dela. e será uma troca. uma troca constante.

9 comentários:

clarice ge disse...

Lubiiii, 22 aninhos... lembro que quando começamos nossa amizade tinhas 18. será? tenho quase certeza, rss. mas por vezes duvido de tua idade... por vezes parece que viveste já uma longa caminhada.
sabes! tenho por ti o maior carinho mesmo quando 'pareço' ausente.
abraço pra ti

Leandro Jardim disse...

uau, muito bom!

camila disse...

isso de gostar inclui ser um pouco o outro - totally.

saudade de vc. sua verborragia é também sentimentorragia, adoro.

beijo, minha florzinha!

.leticia santinon disse...

Assim: Por favor, diga alguma coisa, porque esse seu silêncio é pior do que todas as recusas já ditas.

Thays disse...

Lubi!
Passei um tempo sem visitar seu blog. Tinha medo que minha secura desconstruísse seus escritos. E hoje venho ler e me emociono com seus textos, da descrição aos posts.
Vc é uma artista, menina!

marcela disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcela Prado disse...

ouso de ousar?ouso de ouvir? achava que era ouço e agora fiquei em dúvida.

fiquei lendo seu perfil. curioso. eu costumava dizer que nasci velha.

Rodrigo Artur disse...

O meu silêncio é pior que falar sem parar, a minha mente não para, palavras brotam e me enchem até o momento que tenho que desaguar.

Ana disse...

pra mim o silêncio tem mil palavras
.
.
.
minha voz nas calamidades.