14 de outubro de 2009

Abril, 15.

além de em noites
........porque mentem vazios
parece-me inexistir repostas nos
passos pela cidade de
essas avenidas intransitáveis
pelo ser em nós:
questão principal.
eu internalizo o alarde de
........conversas buzinas melodias
para te falar porque meu excesso é
........silêncio, um profundo
me diferencio enquanto
você me esconde & a todas as pessoas dentro de si
porque há solidão sempre mas
além do singular
- sua crença.
os passos a resposta o óbvio:
nós sermos um.
livrar-te do sofrimento
esse o sentido de te declamar enfática
de Ismar Tirelli, Reds:
eu vivo só mas ninguém sabe
e abandoná-lo minutos para perceber que
solidão é todo universo unido em
e não saber fingir não saber
até a noite vir.

3 comentários:

Katrina disse...

Solidão é um campo que a gente colhe dentro do peito

lindo lubi, mesmo

=*

geo. disse...

nossa lubi, que LINDO!

eu adoro ler seus poemas porque sinto, sabe?
eu vejo o filme inteiro passando, desde as avenidas até as buzinas.

e me vejo nele. levo suas palavras pra minha vida. faz sentido.

ninguém precisa saber se eu vivo só.

beijão lubi

Sagá disse...

eu vejo você nesses filmes. sempre.
;)