6 de janeiro de 2010

Meu último adeus



Dois poemas para Pedrita, que morreu em 04/01/2010 e me deixou um buraco no peito.

Petit Chat

teu amor me salva.

teus olhos bicolores
de pupilas dilatando e
mesmo quando o contrário
iluminando
a escuridão
típica da tristeza
a minha, sempre.


Pedrita

pedrita à noite
adivinha haver dores
mas não onde: massageia de
minhas costas até as pernas.

pedrita ainda não descobriu que
o que dói em mim é dentro.



Um dia, gatinha manhosa, eu prendo você no meu coração...