22 de março de 2010

pergunto-me por quê vim
se seu tempo é o escapar

sapatos sempre à porta
aquela marca permanente

sobre o tapete sobre
mim sobre o

amor
esse eterno amanhecer.

3 comentários:

Sylvia Araujo disse...

E o que tem de gente que faz do escapar um meio - quase sempre um fim... ainda bem que tem gente que, mesmo assim, faz do amor um eterno amanhecer.

Beijo pra você

Stephanie disse...

talvez tentar viver o amor num escapar seja uma dúvida quando a possibilidade ter o amor na permanência.

beijo

Bruno disse...

Eu também queria poder escrever poesias e coisas e palavras que deixam as pessoas pensando e sentindo uma sensação de não sabem o quê mas que ainda que meio melancólico é bom e faz sentir vivo.