28 de maio de 2010

não sei aonde está
então
conheço o verdadeiro
da palavra

desamparo

quando decide
caminhar o que é
desconhecido
para mim

(o vento assombra as árvores)

e ainda assim
estado comum:

as ruas e avenidas
ou estar parado

pudesse, fumaria mil cigarros

para terminar
a ausência das mãos
do vazio que é por dentro
o calor que apenas sai
em fumaças

apenas sai, não entra:

desamparo.

2 comentários:

Aline Dias disse...

queimar a solidão é solução quase insolução.

Claris disse...

senti mais ou menos isso hoje vindo trabalhar quando saí do frio cortante e entrei no bus executivo, acochoado e quentinho. parecia que não combinava uma coisa com a outra: eu, gélida, naquele ambiente. até que uma crise de uns 12 espirros de rinite alérgica me fizeram acordar...

beijos, linda!