30 de agosto de 2010

inferno astral

percebi que meu blog sofre de inferno astral. e acredito. nesses cinco anos que se completarão em breve, é vir agosto e. um silêncio profundo. uma vontade de não escrever nunca mais. indefinição de sentimentos dentro.

saber que pessoas específicas me leem é invasão. eu não gosto.

escrevi poemas lindos antes do término. poemas que não quero que ninguém saiba.

é isso. por aqui, nada; enquanto do lado de fora a vida, muitas coisas acontecem.

8 de agosto de 2010

solidão

eu não gostei de
...........a mulher sentar-se ao meu lado:

....................piercing no nariz e visual monocromático

minha solidão queria ocupar todos os espaços.

2 de agosto de 2010

more tears

pensar não haver o que perder porque são pela sinceridade. porque são. eram. o tempo é o passado. porque eram pelo direito de ser inteiros como plural e ou singular.
burrice, coração. ingenuidade.
o amor é sempre sobre si mesmo. o pequeno resto é cercar o outro. é apenas fingimento de controle. fingimento. vigiar tanto para pensar que não há nada mais. porque você não vê. porque você nunca vai conseguir enxergar o dentro do outro. ver por quem o coração bate. de verdade. se o rosto se os trejeitos são costumes. nada mais. o que importa é o escondido. que nunca alcançaremos esse profundo.
suporte, coração, o repeat mental da confissão de amor por outra mulher. não se pode calar. essa faca que perfura os ouvidos e desce pela garganta e paralisa.
a confissão como conversa em mesa de bar. espontaneidade em cigarros e copos compartilhados em pernas roçando-se. a naturalidade de falar como quem fala sobre futebol sobre o trabalho sobre o tempo e outras pequenezas diárias. porque eram pela sinceridade. muito antes de serem o nós.
agora, é fazer o caminho inverso, coração. eu penso em renascer por esses anos.

*

repostando o 'escrevendo, me organizo' que deletei. enfim.